13 DE MAIO: 133 Anos da Lei Áurea – A dívida histórica continua

Bahia tem a segunda maior população autodeclarada preta, em todo o país. Na data em que se celebra o Dia da Abolição da Escravatura, Vinícius Bonifácio explicou que todos os processos de libertação jogaram o negro na sociedade, sem nenhum tipo de indenização. “Jogado à margem da sociedade”. É assim que o mestre em história, Vinícius Bonifácio, relata a condição de pessoas negras no Brasil, após a assinatura da Lei Áurea e abolição da escravatura, no dia 13 de maio de 1888.

Nesta quarta-feira (13), dia que marca o 133º aniversário da abolição, Vinícius Bonifácio falou sobre a forma como as pessoas negras foram “inseridas” na sociedade, após deixarem de ser escravas. Ele conta que os africanos no Brasil se questionaram muito sobre o que fariam a partir daquele momento.

“Agora que estou livre o que vou fazer? Para onde eu vou? Qual trabalho vou exercer? Porque até então o trabalho era escravizado. Ele até poderia ter um ofício, ser um negro especializado no moer da cana, porém ele não tem isso reconhecido quando ocorre a abolição”, explica.

Ainda segundo o mestre em história, todos os processos de libertação jogaram o negro na sociedade, sem nenhum tipo de indenização.

E 133 anos após a abolição da escravatura, as condições para as pessoas negras continuam difíceis. Para a técnica de enfermagem Isabela Neri, os negros continuam sofrendo preconceito em pleno século 21.

“Tem muita gente que continua tendo preconceito com os negros. Trabalho é mais difícil também para pessoas negras”, comenta.

Já a microempreendedora Raíssa Coutinho relatou um caso de racismo do qual foi vítima.

“No meu antigo trabalho, eu tinha um cargo um pouco diferente do que o povo esperava. Já fui abordada por clientes que chegaram para mim e perguntaram: ‘Mas você é desse setor? É você mesmo?'”, relata a jovem.

“Não me atingiu. Teve sim a discriminação, porém não deixei me abater”, completou Raíssa.

Polêmica

Atualmente, parte do movimento negro contesta a comemoração da data do 13 de maio. Isso por causa do tratamento dado ao negro após deixar de ser escravizado; sem qualquer apoio das classes dominantes.

Por causa disso, o movimento negro resolve comemorar a data no Dia da Consciência Negra, em 20 de novembro, marcada pela morta de Zumbi dos Palmares.

A mestranda em história, Aline Santos, explica que o que o movimento negro tenta fazer é dizer que as pessoas negras foram protagonistas de sua história, tanto livres, como escravos.

“Hoje, nos livros didáticos, a tendência é mostrar que a pessoa negra, no século 19, foi quem procurou a libertação. Não foi uma coisa que aconteceu, foi uma conquista na verdade. Uma conquista que se fazia no cotidiano”, explica Aline Santos.

G1.com/bahia
Foto: Reprodução/TV Bahia

Artigo anteriorREFORÇO: 566,7 mil doses de vacina são esperadas na Bahia
Próximo artigoAbolição pra quem?