domingo, julho 21, 2024
InícioSaúdeVariante delta do coronavírus: veja perguntas e respostas sobre transmissão, mutações, letalidade...

Variante delta do coronavírus: veja perguntas e respostas sobre transmissão, mutações, letalidade e vacinas

Variante foi identificada no Brasil há cerca de um mês e já é responsável por pelo menos uma morte no país; na Índia, a variante ‘delta plus’ foi identificada. A variante delta do coronavírus (B.1.617), identificada pela primeira vez na Índia em outubro do ano passado, vem preocupando especialistas, países e entidades internacionais, além de brasileiras. No Brasil, a variante já causou ao menos duas mortes.

Nos últimos dias, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou para a rápida disseminação da variante, e novas restrições para conter o espalhamento foram decretadas em lugares como Sydney, na Austrália, Portugal, Reino Unido e Itália. Israel voltou a exigir o uso de máscara em locais fechados. Na Índia, uma nova variante próxima da delta, batizada de “delta plus”, também foi identificada. Nesta reportagem, você verá o que de novo se sabe sobre transmissão, mutações e letalidade da variante delta, além da efetividade de vacinas contra ela:

  1. O que é uma variante? Uma variante é resultado de modificações genéticas que o vírus sofre durante seu processo de replicação. Isso ocorre de maneira aleatória. Um único vírus pode ter inúmeras variantes. Quanto mais o vírus circula – é transmitido de uma pessoa para outra –, mas ele faz replicações, e maior é a probabilidade de modificações no seu material genético que vão dar origem a novas variantes.
  1. A variante delta é mais transmissível? As evidências reunidas até agora apontam que sim. Uma atualização sobre a variante divulgada pelo governo do Reino Unido em 25 de junho apontou que: a transmissibilidade da delta parece maior do que o vírus do tipo selvagem (responsável pela primeira onda); a delta continua a demonstrar uma taxa de crescimento “substancialmente aumentada” em comparação com a alfa (a variante britânica/B.117), em várias análises; as taxas de ataque secundário – de infecção ocorrendo entre pessoas com contato próximo – e os estudos de transmissão domiciliar reforçam o aumento da transmissibilidade da variante; há evidências in vitro que sugerem aumento da replicação em sistemas biológicos que modelam as vias aéreas humanas; “É altamente provável que delta seja mais transmissível do que alfa [britânica/B.1.1.7]”, aponta o documento. Uma previsão do Centro Europeu de Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) divulgada em 23 de junho apontou que 70% das novas infecções pelo coronavírus na União Europeia deverão ser causadas pela variante delta até o início de agosto. Até o final do mesmo mês, a variante será responsável por 90% das infecções.
  1. A variante delta é mais letal ou causa doença mais grave? Ao mesmo tempo em que aumentou maior transmissibilidade para a delta, o governo do Reino Unido sinalizou que mais dados ainda são necessários para concluir se ela é mais letal ou se é responsável por casos mais graves de Covid-19. Em 25 de junho, o governo britânico informou que “as primeiras evidências da Inglaterra e da Escócia sugerem que pode haver um risco aumentado de hospitalização” em casos com a variante delta do que com a a alfa (variante britânica/B.1.1.7) – mas que “um grande número de casos ainda está dentro do período de acompanhamento e há uma compreensão limitada do curso clínico da doença”. Por outro lado, o Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês) aponta que estudos feitos em laboratório sugerem que tratamentos específicos com anticorpos monoclonais podem ser menos eficazes para tratar casos de Covid causados por variantes com certas mutações. Uma dessas mutações é a L452R, na proteína S do coronavírus, presente na variante delta.
  1. As vacinas que temos hoje são efetivas contra a variante delta? Ainda não há dados sobre a efetividade de todas as vacinas disponíveis contra a variante – como a da Johnson e a CoronaVac, por exemplo, ambas usadas no Brasil. Por outro lado, já se sabe algo sobre a efetividade de Pfizer e AstraZeneca, também usadas no Brasil, contra casos sintomáticos e hospitalizações causados pela delta. Dados divulgados no dia 14 de junho pela Inglaterra apontaram que as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca/Oxford tiveram redução na efetividade contra a variante delta em relação à alfa (britânica/B.1.1.7), principalmente após uma única dose, para evitar casos sintomáticos.  A agência de saúde pública do país já havia divulgado uma análise mostrando que uma única dose de vacina é 17% menos efetiva na prevenção de Covid-19 sintomática causada pela variante delta em comparação com a alfa, mas há apenas uma pequena diferença após 2 doses. Por outro lado, ambas as vacinas continuaram efetivas em evitar hospitalizações, desde que fossem aplicadas duas doses: A vacina da Pfizer-BioNTech teve efetividade de 96% contra hospitalização pela variante delta após 2 doses. A vacina de Oxford/AstraZeneca teve efetividade de 92% contra hospitalização pela variante delta após 2 doses. Segundo o levantamento, os índices foram comparáveis com a efetividade das vacinas contra hospitalização pela variante alfa (britânica).
  1. Onde a variante delta já foi encontrada no mundo? Segundo o levantamento “PANGO lineages” – ligado às universidades de Oxford, Cambridge e Edimburgo, no Reino Unido, além de outras instituições de pesquisa –, que monitora sequenciamentos do genoma do Sars-CoV-2 pelo mundo, já foram feitos cerca de 77 mil sequenciamentos genômicos da variante B.1.617.2 (a que se tornou predominante na linhagem B.1.617) pelo mundo, em 77 países. Até agora, a variante já foi sequenciada em 23 dos 27 membros da União Europeia, no Reino Unido (onde já é predominante), Noruega, Rússia, Suíça, Estados Unidos, Canadá, México, Brasil, Argentina, Peru, Austrália, Nova Zelândia, 18 países asiáticos incluindo China, Japão, Coreia do Sul e Índia, 3 países do Golfo, 11 africanos e 4 do Oriente Médio. O sequenciamento do genoma do vírus é um passo necessário para identificar qual variante está por trás de um caso de Covid, mas nem todos os casos são sequenciados. Por isso, a variante pode estar em mais países sem que se saiba, ou pode estar por trás de mais casos do que o que sabemos – porque não há sequenciamento suficiente.
  1. Quantos casos e mortes foram confirmados no Brasil? Casos: 11 identificados oficialmente: 1 em Goiânia, 2 no Paraná (com uma morte), 6 no Maranhão (com uma morte), 1 no Rio de Janeiro e 1 em Minas Gerais. Mas o país já tem transmissão comunitária da variante, o que significa que ela já está sendo transmitida dentro do território brasileiro de forma sustentada sem relação com casos que vieram da Índia – onde foi primeiro identificada – ou de outro lugar. Mortes: Duas: uma confirmada no domingo (27), de uma grávida que morreu em abril no Paraná, e uma confirmada nesta segunda (28), de um tripulante indiano que estava em um navio que atracou no Maranhão.
  1. O que ainda não se sabe sobre a variante? Alguns pontos ainda não foram totalmente esclarecidos sobre a delta: se pode resultar em casos mais graves de Covid-19; se ela é mais letal que outras variantes; se as vacinas da Johnson e a CoronaVac, ambas usadas no Brasil, são efetivas contra ela.

 

Fonte: G1
Imagem: Internet

Notícias Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares