quarta-feira, maio 29, 2024
InícioPrincipalMédicos são investigados em operação da PF contra quadrilha de fraudes no...

Médicos são investigados em operação da PF contra quadrilha de fraudes no INSS em municípios baianos

 

 

Agentes da Polícia Federal cumpriram 5 mandados de busca e apreensão em Salvador e Vera Cruz, na Bahia, nesta quarta-feira (8), em operação que investiga fraudes no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A ação foi realizada em parceria com a Coordenação-Geral de Inteligência da Previdência Social do Ministério da Previdência Social para desarticular a organização criminosa.

A Operação Psicose iniciou as apurações há cerca de dois anos, quando foram identificadas a existência de diversos benefícios previdenciários concedidos fraudulentamente mediante a apresentação de atestados médicos com conteúdo falso perante a perícia do INSS. Atestados e relatórios médicos alegavam doenças vinculadas a transtornos mentais, sem que houvesse a devida justificativa clínica para a sua elaboração.

Envolvidos intermediários faziam a ligação entre os pretensos beneficiários e os médicos, que liberavam os documentos indevidamente. Além disso, ainda seria promovido o acompanhamento dos beneficiários até agências do INSS no interior do estado, fazendo-se presentes durante a perícia para auxiliá-los no momento da avaliação.

Com as investigações, a PF comprovou que muitos dos beneficiários, estavam, na verdade, saudáveis e exercendo atividades profissionais normalmente, como motoristas de aplicativo, gerente de obras, entre outros. Pelo menos 100 benefícios concedidos na forma fraudulenta foram identificados. O prejuízo causado ao INSS supera os R$ 6 milhões.

Conforme os cálculos do Ministério da Previdência, se os benefícios fraudulentos fossem mantidos, o prejuízo causado poderia chegar a R$ 68 milhões, considerando os valores retroativos pagos e os que seriam disponibilizados mensalmente, de forma vitalícia, a cada beneficiário ao longo da vida. Os envolvidos responderão pelos crimes de Associação Criminosa e Estelionato Previdenciário, com penas que, se somadas, podem chegar a mais de nove anos de prisão.

Notícias Relacionadas
- Advertisment -

Mais Populares